Nanopartículas de prata em cosméticos

Tempo de leitura: 3 minutos

Os produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes já são itens integrados a rotina dos brasileiros. Na verdade, essa incorporação ao cotidiano já está espalhada pelo mundo inteiro. Porém, nem sempre foi assim!

Os registros indicam que os cuidados com a higiene e beleza não foram prioridade para os humanos durante um longo período. Por exemplo, na era medieval, acreditava-se que tomar banho era prejudicial à saúde, pois deixava a pele mais exposta aos microrganismos. Logo, é comum encontrarmos relatos de indivíduos que tomavam banho uma vez ao ano.

Quando olhamos para as maquiagens, nesse mesmo período da história, o seu uso possuía grande conotação negativa, prejudicando a imagem daquelas que a usavam.

Avançando ao longo do tempo, chegamos na Era Vitoriana. Aqui é onde se popularizou o pó de arroz! Certamente você já ouviu falar sobre ele. O padrão de beleza da época cultivava a palidez. Para isso, eles usavam diferentes produtos na forma de pó como a própria farinha de arroz ou o amido de milho, por exemplo.

O uso de cosméticos na atualidade

Nos dias atuais a história já é outra! O culto a beleza está em alta e os cosméticos e maquiagens atuam para realçar traços de interesse. Além disso, ao contrário do que muitos pensam, esse mercado atinge tanto o público feminino quanto o masculino! 

Quanto as formulações cosméticas, produtos a base de amido de milho estão fora de questão! Todo o processo para desenvolvimento da composição do cosmético, ou dermocosmético, está intimamente relacionado aos avanços na manipulação e entendimento de moléculas e compostos.

Nesses sentido, observamos nos últimos anos o surgimento de princípios ativos cada vez mais eficientes e diversificados. Dentre as funções mais procuradas nas formulações estão aquelas que combatem a acne, com propriedades antimicrobianas e antissépticas. No entanto, é importante destacar: para que os princípios ativos desempenhem a sua função de maneira duradora e eficiente é indispensável a presença de bons conservantes nas formulações.

Conservantes em cosméticos

De acordo com a Anvisa, os conservantes são substâncias que devem ser incorporadas a formulação com objetivo de inibir o crescimento de microrganismos durante a fabricação e estocagem dos produtos. Além disso, eles são essenciais para proteger os cosméticos e os usuários da contaminação inadvertida durante o uso!

Ou seja, os conservantes são necessários para evitar a proliferação de microrganismos nos cosméticos, garantindo a estabilidade da formulação. Ademais, eles protegem os usuários e aumentam o prazo de validade dos produtos.

O uso de conservantes em cosméticos é essencial para garantir a estabilidade da formulação. As nanopartículas de prata são o mais próximo que temos de um conservante ideal!
A textura de hidratantes é um dos aspectos que pode sofrer alteração quando a estabilidade do cosmético é comprometida na presença de microrganismos.

Existem diferentes tipos de conservantes e normalmente eles são usados através de combinações. Isto porque um conservante ideal deve ter atividade de amplo espectro. Ou seja, deve ser capaz de inibir a proliferação de bactérias gram-positivas, gram-negativas e fungos, por exemplo. Entretanto, é comum que agentes que atuam contra bactérias não possuam ativos contra fungos.

Outra característica do conservante ideal é que ele seja efetivo a baixas concentrações. Dessa forma, a chance de provocar irritações e demais complicações frente a toxidade são reduzidas! É importante também que sejam moléculas altamente estáveis, inodoras e que não interajam com os demais constituintes da formulação.

Nanopartículas de prata em cosméticos

As nanopartículas de prata possuem ação antimicrobiana, antisséptica e anti-inflamatória proporcionando, portanto, uma das funções mais desejadas nas formulações cosméticas: o combate a acne! Nós já falamos sobre alguns benefícios da prata como componente ativo em cremes, hidratantes, sabonetes e xampus em um texto no nosso blog. Mas uma vantagem secundária da presença desses compostos na formulação é justamente melhorar a sua conservação!

Devido a sua ação antimicrobiana de amplo espectro, a nanoprata é capaz de atuar principalmente contra bactérias e vírus, incluindo até mesmo as estruturas mais resistentes! Isso significa que além de um princípio ativo poderoso, as tecnologias baseadas em prata contribuem para a minimização de contaminações externas, reduzindo significativamente situações de contaminação cruzada e abrindo portas para o desenvolvimento de cosméticos e maquiagens com maior prazo de validade.

Além disso, graças ao seu tamanho de escala nanométrica, a prata possui sua ação potencializada. Ou seja, ela é capaz de atuar de forma altamente eficaz mesmo quando usada em baixíssimas concentrações. Inclusive, é por essa característica que cosméticos com nanotecnologia tem ganhado cada vez mais espaço no mercado.

Quanto as preocupações com a toxidade, você pode ficar tranquilo! As nanopartículas S3nano foram aprovadas como dermatologicamente testadas e hipoalergênicas! Além disso, nossos aditivos são classificados como não irritantes e apresentam zero citotoxicidade e toxicidade.

Outro ponto que merece destaque é a ação perene das nanopartículas de prata. Além de serem compostos muito estáveis e altamente compatíveis com as formulações, uma vez incorporada a nanoprata terá ação efetiva durante toda a vida útil do produto!

Quer saber mais sobre esse assunto? Entre em contato com o nosso time de especialistas e descubra como incorporar a nanoprata na sua formulação!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

EnglishPortugueseSpanish

Receba nossos materiais exclusivos em seu e-mail